• Dra. Bianca De Franco

COVID-19 E A PELE


Quais manifestações pelo Covid-19 podemos ver e sentir na pele?

Em meio a situação de pandemia, tanto os profissionais de saúde quanto os pacientes buscam informações que possam ajudar no reconhecimento precoce e tratamento da doença. Vou fazer um resumo do conteúdo dos artigos publicados até o momento em uma plataforma de qualidade científica (pubmed), por vezes vou usar alguns termos médicos pois acredito que será útil para os profissionais de saúde!


Primeiro, precisamos analisar criticamente os dados que temos atualmente (que são poucos!), a maioria dos artigos não tem fotos, tem um número pequeno de pacientes incluído e não há comprovação do mecanismo de surgimento das lesões. Dito isso, vamos seguir...


Sobre as lesões em profissionais que trabalham nos hospitais, elas surgem pelo uso dos equipamentos de proteção individual (EPI) e são principalmente nas mãos, bochechas e dorso do nariz. E isso ocorre obviamente pela lavagem excessiva das mãos (>10x), turnos de trabalho prolongado com máscaras, luvas e gorros que pressionam a pele por muito tempo. Geralmente se manifestam como ressecamento, descamação e podem evoluir com lesões avermelhadas e elevadas.


Sobre os pacientes infectados com Covid-19, um estudo com 88 pacientes internados na Itália mostrou que 20% tinham lesões na pele, que apareceram no início dos sintomas ou durante a internação, e geralmente se manifestaram como manchas rosadas (exantema) ou urticaria ou semelhante a varicela no tronco, melhorando espontaneamente.


Sobre as crianças, tem artigos descrevendo que em crianças com pouco ou nenhum sintoma respiratório podem aparecer lesões nas extremidades, principalmente nos pés. Geralmente essas lesões são arroxeadas (purpúricas) e dolorosas.





Sobre os pacientes graves com SARS-Cov-2, há um artigo mostrando isquemia e necrose de extremidades associada a estados de aumento da coagulação do sangue, como coagulação intravascular disseminada (CIVD), síndrome do anticorpo antifosfolipídeo catastrófica (SAAF) e trombocitopenia induzida por heparina (HIT).


Sobre o uso da hidroxicloroquina, devido ao aumento do seu uso também vemos mais reações adversas a droga, dentre elas uma manifestação grave com placas avermelhadas e edemaciadas no tronco e na face, e que depois evoluem com pústulas sobre elas, o nome sugerido pelo artigo é eritema figurado pustular generalizado (GPFE).


Enfim, espero ter ajudado com as informações com base científica que dispomos atualmente, claro que elas estão sempre mudando e podemos ter novas manifestações e explicações futuramente!

Beijos.


Este post não substitui uma consulta médica, tem direitos autorais, possui caráter informativo e educativo.


#pele #covid19 #coronavirus #dermatologia #lesão #urticaria #rash #exantema #ciência #atualização #hidroxicloroquina #púrpura #dermatologia #dermatologista #estudo #saúde #equipe #epi #máscara #álcool #luvas



Posts recentes

Ver tudo

Rua Doutor Celestino n122, sala 1017. Centro Empresarial Ioffices. Clínica Athayde e De Franco Dermatologia - Rio de Janeiro - RJ.

Tel: 021-99571-8080

Diretor técnico: Dra. Bianca De Franco CRM 52.102361-6.

O conteúdo deste site tem caráter exclusivamente de esclarecimento e educação da sociedade.

As informações expostas não substituem a consulta médica presencial.

  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • Instagram